Vídeos interessantes sobre Autismo.

Loading...

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Dicas de como agir com seu filho autista (Daniela Bolzan)



O sentimento de uma mãe por um filho se resume apenas em amar, amar incondicionalmente.. É Como notas de uma música no seu tilintar que expressa no mais íntimo a tranquilidade, a sabedoria, a inteligência suprema que Deus nosso Pai nos depositou para receber seres tão iluminados para serem nossos filhos...
Tenho recebido diversos e-mails de mãezinhas que estão ainda em processo de adaptaçao da noticia do autismo na sua familia, nao vou relatar aqui o que se passa até mesmo porque nao seria ético da minha parte...
O assunto que abordaremos a seguir e que dará o desfecho desse artigo é a maneira que as mãezinhas devem agir com seus autistas. 
Pesquisei muito esse assunto, leio livros constantemente e posso garantir que algumas das dicas a seguir vão te ajudar nessa caminhada tão dificil.
Primeiro: tenha em mente que seu autista gosta de ser tratado com respeito, calma, voz baixa, sem gritos, a voz alta de um adulto para ele é um tormento. 
Quando ele fizer algo que nao é correto, fique na altura dele e fale com calma uma, duas, tres vezes,  quantas precisar, mas sempre com carinho e respeito.
Muitas vezes, autistas jogam objetos para analisar o movimento que o mesmo faz, isso o acalma e o deixa feliz. Muitas vezes nesses momentos chamamos atenção de maneira errada. Repreendendo e brigando... Mas a briga para o cérebro de um autista se comporta de maneira inesperada quando recebe repreensão com gritos e o comportamento acaba sendo alterado para algo pior.
A calma  o melhor caminho...
Não fale demais ao autista. Fale poucas palavras, muitas palavras confundem seu cérebro e acabam causando incômodos.
Cuide de você, pois se o seu estado emocional não estiver equilibrado, ele sentirá sua vibração e acabará ficando agitado. Então para ajudar seu anjo autista ajude primeiro a si mesmo...
Em momentos de crise, que são muitos, os escritores nos aconselham a apenas proteger para que eles não se machuquem e evitar falar muito nesses momentos, porque nesses momentos os sentimentos deles estao confusos e eles se organizarão  pouco a pouco, mas sem a interferência de ninguem, até que passe a crise deixe-o sozinho somente protegendo paraque nao se machuque...
Nossos anjos azuis tem muitos sentimentos a serem organizados. E essa organização só vai  acontecer gradualmente quando principalmente nós pais nos abrirmos para essa realidade e entrar nesse mundo de tantos mistérios... Um mundo que eu ja entrei e posso garantir, não há sentimento mais gratificante do que  começar a organizar os sentimentos do seu filho... 
O olhar é a primeira dica para que veja o que o seu filho esta sentindo... Pare na frente do seu filho, coloque uma musica instrumental e olhe profundamente nos olhos dele.. No inicio ele não vai ter paciência, mas com pratica você vai se surpreendendo... Eu garanto, vocês vao se entender muito mais do que imaginam. Tente... 
Vamos nos aproximar dos nossos autistas da maneira que eles entendem, da maneira que eles não se sintam pressionados e sim amados e respeitados...
Espero que respondido para as mãezinhas dos e-mails e agradeço desde ja toda a confiança e cada e-mail recebido.. Nós somos uma família azul e nos fortalecemos a cada dia..
Agradecimentos
Daniela Bolzan

sexta-feira, 28 de março de 2014

Exposição fotográfica de autistas.. Um olhar sobre o autismo.

Vamos conferir o rostinho lindo de nossos autistas nessa exposição pra lá de especial promovida pela clínica Espaço do Autista...  Em SãO José do Rio Preto...
Bjos Daniela Bolzan

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Como enfrentar o Ditador interior - O desafio de se contrariar uma criança autista! - Por Cristiano Camargo



Em outros artigos anteriores eu já tinha falado meio que por cima , de um dos quatro grandes componentes do Mundo Interno de Fantasia, o Ditador interior ede sua relação com outros componentes (Juiz Interior, Consciência e Criança Interior).Hoje falarei com mais detalhe sobre o Ditador Interior, pois este é o componente que mais influencia um comportamento que mães e pais de autistas tem observado em seus filhos hoje em dia: a revolta com qualquer tipo de contrariedade!
Como já explicado antes, o autista imaturo tem o seu Mundo Interior de Fantasia onde ele se refugia da Realidade que ele odeia e/ou tem medo. E lá ele é o Chefe, o Rei, o imperador, o Ditador, dominador total de seu Mundo, de seus personagens, onde até objetos inanimados funcionam e obedecem suas vontades. Sobre todos e tudo, o Autista tem o Poder Absoluto de vida e morte , e as regras servem só para os seus comandados, ele mesmo não precisará seguir ou obedecer suas próprias regras que ele cria. Estas regras, inclusive , mudarão de acordo com suas vontades e caprichos, quando ele quiser. Ninguém o desafia, nem o desobedece.
Só que na Realidade as coisas são diferentes: ali o Autista é que é o comandado, ele que tem de obedecer a regras que não foi ele quem criou, e que em muitos casos são rígidas e não mudam quando lhe parecem inconvenientes. Ele simplesmente não pode fazer o que bem quiser, nem exigir que todos o obedeçam.
Mas descobrir isto é um tremendo choque- um trauma !
Isto coloca em cheque a validade de seu Mundo Interno de Fantasia(MIF) e traz a angústia de saber qual está certo, qual está errado, e de não poder trazer para dentro de seu MIF as regras da Realidade, nem de trazer as regras do MIF para atuarem na Realidade. Dois mundos muito diferentes, um paradoxo, uma dúvida, uma escolha?
Mas a sua referência é seu MIF e sua vontade é sempre a de usar na Realidade as Regras do MIF.
A Realidade para ele é algo novo, estranho, desconhecido, que ela ainda está tentando entender, e que lhe parece hostil, agressiva, perigosa. Já o MIF ele conhece bem, está acostumado e se sente feliz e seguro lá.
Porém, a Vida exige dele que ele atue na Realidade. Geralmente ele tem irmãos, colegas, amigos, pais e outras pessoas que estão em contato com ele. Duas delas ele identifica como Pai e Mãe, e ele sabe que uma das regras fixas da Realidade é ter de gostar do Pai e da Mãe e obedecer a eles.
Mas nada na Realidade funciona como ele gostaria, nenhuma das regras que ele mesmo inventa pode ser aplicada ali, nada é como ele gostaria, e o conflito interno se inicia, pois o MIF é sua referência, então, no entender dele, MIF e Realidade deveriam ser a mesma coisa, e o que valesse em um deveria valer para o outro. Deste impasse e da consciência de que ele é impotente para fazer da Realidade uma extensão do MIF e aplicar suas regras lá, mandar em todo mundo e ser obedecido, desta inconformidade, nasce o Ditador Interior.
O Ditador Interior exige do Autista que ele comande, que ele transforme a Realidade em MIF e aponta a Realidade e tudo o que tem nela como “inimigos”.Mas pai e mãe não podem ser “inimigos”, isto contraria até seus instintos mais básicos-mais uma contradição, um paradoxo, um impasse, uma nova impotência(da qual também o Juiz Interior aproveita para cobrar eficiência do Autista)e tudo isto gera desilusão, humilhação, rejeição, complexo de inferioridade, e fere seu orgulho próprio!
Com a desilusão vem a decepção, com a decepção vem a tristeza, com a tristeza vem a depressão e a angústia, e com elas, a raiva, a revolta.
Não é bem uma raiva das pessoas, mas uma raiva de si mesmo, de não estar conseguindo fazer da Realidade , o MIF.
Então ele tem uma vontade de alguma coisa, e pai ou mãe negam. Ou eles dão uma ordem, e aí o pensamento autista imaturo é :”-se eles não me obedecem como deveriam, por que eu deveria obedecê-los?”
A dor de se ver em posição hierárquica dos pais o leva muitas vezes a achar que todas as pessoas do mundo estão em posição hierárquica maior que a dele e isto bate de frente com a realidade do MIF dele, que é exatamente o contrário.O complexo de inferioridade grita alto e a dor precisa ser estancada com um complexo de superioridade para manter a integridade de seu amor próprio, de sua auto-estima.O Ditador Interior ruge como fera e desperta no Autista imaturo sua revolta e inconformidade.Ele exige ser obedecido e quanto mais impotente se sente, menor se sente diante dos pais. Quanto maior o tom de voz dos pais, quanto maior o tom autoritário das palavras dos pais, mais a revolta se amplifica e se multiplica. Ele exige de si mesmo que ele seja como ele é no MIF, e não se conforma de a Realidade ser tão diametralmente diferente. No seu MIF tudo era previsível, tudo lhe obedecia. Na Realidade, o “previsto” era que os pais o obedecessem e ele mandasse nos pais, e se isto não acontece (e práticamente nunca acontece), os pais passam a ser “imprevisíveis”, e ele tem de encarar punições, broncas, castigos, ou tem de ir a lugares ou fazer coisas contra a sua vontade.
E isto o revolta !Quanto mais comandado ele se sente, mais inferior se sente, e quanto mais inferior se sente, mais superior quer ser. Até que um dia ele descobre que a raiva que ele sente no olhar e na voz ou mesmo nos gestos dos pais é muito maior que a dele. Aí s inicia o medo e a auto-repressão, e a timidez e a depressão aumentam.
Mas nem sempre isto acontece, especialmente hoje em dia, em que os autistas costumam ser criados cercados de amor e carinho.
Mas quando eles percebem que todos os seus desejos, todas as suas vontades estão sendo “obedecidas”, com sorrisos, aí ele começa a realmente acreditar que MIF e Realidade funcionam do mesmo modo e que seus pais são personagens de seu MIF que ele pode controlar.
Mas depois de acostumado ao conforto desta conveniência e previsibilidade, os pais “escapam de seu controle” e passam a dar ordens, exigir coisas,ele sente isto como uma “traição de confiança” e perde a confiança nos pais, pois tudo o que é imprevisto e não planejado o assusta.
Ele se sente inferior, e se revolta, e quer que ele continue sendo paparicado e obedecido como sempre, pois inclusive isto já era uma rotina para ele.
Ele passa a exigir tudo dos outros e cobrar que suas vontades sejam obedecidas, muitas vezes recorrendo ao choro, ou ‘a agressão.
Se a “desobediência” dos pais for sistemática, e ele perceber que nada dá certo e que ele tem de obedecer tudo e os pais nada, ele pode se auto agredir, além de agredir aos pais, punindo aos pais pela “desobediência” e a si mesmo, pelo que ele considera sua própria incompet~encia,incapacidade, seu fracasso, e vocês sabe, o autista exige muito de si mesmo por conta do seu Juiz Interior, e não se perdoa, por que o Juiz Interior é implacável, só condena!
Tudo explicado, o mecanismo das ações e a razão de seus comportamentos, como os pais devem agir diante desta situação?
E agora, o que fazer? Como resolver este impasse?


Vamos então às dicas:
A) Comece pelo tom de voz: evite tons severos, autoritários, bravos.
Evite expressões tipo: você tem de fazer isto, você vai ter de fazer, faça já, como é que é vai ou não vai, olha o que voc~e fez, eu quero que você faça isto, faça por que eu estou mandando,etc. Substitua por: você não gostaria de fazer isto? O que você acha de fazer aquilo?Eu ficaria tão feliz se você fizesse tal coisa para mim !,Que tal você fazer aquilo? Vamos fazer tal coisa? Ou seja, substitua afirmações por perguntas.
C) Evite transmitir para ele ou deixar ele perceber sua raiva stress ou impaciência.
D) Não eleve muito o tom de voz, nem grite. Quem grita mostra que já perdeu a autoridade e está apelando.
E) Não fique insistindo trocentas vezes na mesma ordem, de um em um minuto. Isto é irritante e pode fazer ele ficar ainda mais nervoso. Alguns podem ver nisto um jogo divertido e teimar em desobedecer para desafiar os pais e fazer eles perderem o controle, e assim, vencê-los pelo cansaço até que decidam obedecer à vontade dele.
F) Se ele questionar uma ordem, com os clássicos “por quê?” ou “para quê?”, evite responder com expressões tipo: porque sim, porque não, não interessa, não é da sua conta, não responda para mim me respeite, etc. Respondam objetivamente, detalhadamente, com argumentos lógicos. A lógica é simpática aos autistas e os impressiona bem e sendo eles convencidos por seus argumentos, obedecerão sem revolta.
G) Procure ser previsível em suas reações. Se para determinadas situações você sempre reagir da mesma maneira, ele vai sentir em você o conforto e a segurança da previsibilidade, e vai obedecer mais e melhor, por que a confiança dele em você aumentará.
H) Caso ele recuse as sugestões, ofereça alternativas, reformule a pergunta, ofereça o conforto e a confiança dos argumentos lógicos. Desafie a inteligência dele!
I) Prometa compensações e prêmios(que você possa cumprir)caso ele recusar: premiar educa mais que castigar, e muitas vezes a ausência do prêmio em si já é um castigo.
J) Evite bater de frente, provocar, evite leva-lo onde você sabe que ele não gosta de ir
K) Caso ele recuse, pergunte qual a razão da recusa. Se você achar que ele tem razão em recusar, e que a razão dele é lógica, respeite, se não, mostre a ele com argumentos inteligentes, lógicos e sensatos que ele está errado, ele irá obedecer por que não trairá sua própria lógica.
L) Seja criativo(a)!Ao dar uma ordem, diga, por exemplo, que tem uma missão para ele cumprir e pergunte se ele aceitará o desafio? A ordem parecerá uma brincadeira e provavelmente ele obedecerá com um sorriso, ao que vc pode responder, entrando no espírito da brincadeira, por exemplo, batendo continência...rsss...ou ainda fale que duvida que ele faça isto ou aquilo, ele vai querer te provar que é capaz! Mas não o subestime para ele não se sentir humilhado, já que o sentido é ele se sentir desafiado.
Bom, então é isto, ao menos por enquanto!

Cristiano Camargo

Extraído da página facebook De asperger para asperger 
Grata
Daniela Bolzan

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Curso De Capacitação sobre Autismo Em São José do Rio Preto -S.P com Dr. José Facion.


Olá queridos Leitores.. 
Venho com muita alegria compartilhar com vocês mais uma realização da Clínica Espaço do Autista da Pedagoga Sabrina Strabelli, o Curso de Capacitação  ENTENDENDO O AUTISMO com o Dr. José Facion, uma excelente oportunidade  para todos. Contamos com sua presença.
  

Grata a Todos
Daniela Bolzan

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Novo teste consegue diagnóstico precoce do autismo - Importantíssimo ( Daniela Bolzan)

Marcadores identificam transtorno em recém-nascidos com apenas dois meses de vida.



ESTADOS UNIDOS - Um novo teste pode identificar o autismo em bebês já nos primeiros meses de vida. Cientistas da Universidade de Emory, no Estados Unidos, estão animados com a descoberta porque, quanto mais cedo o transtorno é identificado, melhores as chances de sucesso do tratamento. E o sinal está exatamente numa das principais dificuldades do autista: a de olhar nos olhos.
Normalmente, o autismo é identificado em torno dos 5 anos. Neste trabalho, eles conseguiram perceber marcadores presentes em bebês de 2 a 6 meses de vida, que mais tarde foram diagnosticados com o transtorno. Quando a criança passa por uma intervenção antes dos 3 anos, há chances de melhora de 80% nos sintomas.
- Existe uma janela de oportunidade devido à plasticidade do cérebro da criança. Com a intervenção precoce, podemos diminuir radicalmente sintomas como a deficiência intelectual, a dificuldade de linguagem e os desafios comportamentais graves que podem tornar o autismo uma condição potencialmente devastadora - defende um dos autores, o brasileiro Ami Klin, diretor do Marcus Autism Center, nos EUA.
Mas o diagnóstico precoce é um dos principais desafios, especialmente no Brasil. Segundo informações do livro “Retratos do Autismo”, lançado pelo governo federal, estima-se que existam 1,1 milhão de autistas no país, menos de 1% da população. Só no Sudeste, são quase 500 mil, e apenas 106 instituições de tratamento, que atendem 3.280 pessoas - seriam necessárias quase 40 mil unidades para atender a todos.
O novo estudo publicado na "Nature" investigou dois grupos de recém-nascidos: um com alto e outro com baixo risco de desenvolver o espectro autista, grupo integrado pelo que antes era conhecido como síndromes de Asperger, de Rett, desintegrativa da infância e o autismo clássico. Como há fatores genéticos relacionados, os recém-nascidos com alto risco tinham algum irmão já diagnosticado com o transtorno, o que aumenta as chances em até 20 vezes.
Do nascimento aos 3 anos
Os participantes foram acompanhados desde o nascimento até os 3 anos por meio da tecnologia de eye tracking (técnica de acompanhamento do movimento ocular), numa versão adaptada para recém-nascidos. A ideia era coletar dados sobre como eles respondiam a estímulos sociais. Aos 3 anos, as crianças passaram por avaliação médica. Aqueles diagnosticados com autismo já mostravam um declínio de atenção para o olhar de outras pessoas desde os dois meses.
- O que nos surpreendeu foi que, embora as mudanças já estivessem em curso, observamos mais capacidade de olhar nos olhos do que esperávamos ver em recém-nascidos depois de diagnosticados com autismo - diz Warren Jones, professor da Universidade de Emory.
Estes resultados não são visíveis a olho nu e requerem tecnologia especializada e medições repetidas ao longo dos meses. Não adianta pais tentarem fazer o teste sem o auxílio do aparato, ressaltam os cientistas:
- E eles não deveriam se preocupar se o recém-nascido não olha nos olhos o tempo todo.
Antes de engatinhar ou andar, os bebês já exploram o mundo intensamente com o olhar: de rostos, corpos e objetos, assim como os olhos de outras pessoas. Um processo que prepara o terreno para o crescimento do cérebro.
- Acho o estudo interessantíssimo, e ele seria ótimo do ponto de vista terapêutico, pois sabemos que quanto antes começarmos as terapias, melhor o resultado. Só temos a ganhar com um diagnóstico precoce - avaliou o professor Universidade da Califórnia, em San Diego (EUA), o brasileiro Alysson Muotri, especialista na área.
Para Muotri, o próximo desafio é baratear o custo do equipamento para garantir o acesso a consultórios pediátricos. Ele ressaltou a participação do pesquisador brasileiro na pesquisa dos Estados Unidos:
- Se houvesse um centro de excelência para estudos no autismo no Brasil poderíamos atrair esses pesquisadores de volta para nosso país, favorecendo nossos pacientes.
O próximo passo é expandir a pesquisa com mais crianças e combinar as medições de eye tracking com exames do desenvolvimento cerebral e expressão gênica.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/saude/novo-teste-consegue-diagnostico-precoce-do-autismo-10706802#ixzz2lBwQpZKN 
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 
Obrigada e deixe seus comentários..
Daniela Bolzan

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

A verdadeira Felicidade... (Daniela Bolzan)

A verdadeira Felicidade não está no carro que você anda, na casa que você tem,  ou na Jóia que você usa...
A verdadeira felicidade consiste no simples sorriso que nao custa nada, e oferece muito a quem recebe; Um sorriso pode tirar alguém de uma depressão, pode salvar a vida de um enfermo, pode levar esperança aos idosos nas casas de repouso.
Um sorriso é muito mais valioso do que qualquer outro bem material que o ser humano possa ter...
Mas posso dizer por mim, todos os sorrisos são muito importantes, mas o sorriso do meu anjo azul é o que conquista meu coração... Mesmo com suas limitações ele sabe como me fazer feliz...
Te amo meu pequeno grande anjo que ilumina o coração de todos a nossa volta e leva esperança a todas as famílias que estão iniciando na luta do autismo...
A luta não é fácil, a caminhada no autismo é uma estrada com muitas pedras e flores, se soubermos retirar as pedras vamos sentir o perfume das flores...
O dia a dia de pais de autistas requer muita paciência, tranquilidade e dedicação, pois esses pais carregam mesmo sem saber em seus corações a tristeza de não ver seus filhos estudando como os colegas na sala de aula,  pois têm dificuldades de acompanhar a turma, muitas dúvidas surgem na cabeça e no coração.
Mas conforme o tempo vai passando essa tristeza vai se transformando em orgulho, orgulho em ter um filho, ou filha tão especial  e carinhosos.
A demonstração de sentimento que os autistas nos dão é a mais pura e sincera que qualquer pessoa poderia imaginar... O abraço é verdadeiro, o olhar é único, o toque é sincero, até os gritos que eles dão são melodias para nossos ouvidos...
A força que Deus proporciona para pais de autistas é força divina, pois nao é qualquer casal que teria possibilidades psicologicas para ter uma criança autista para amá-la e protegê-la.
Todos os pais de autistas sao seres angelicais que se uniram a Deus para ter  a certeza de que os anjos enviados por Ele seriam bem cuidados e muito amados mesmo com suas limitações.
Posso dizer por mim, tem momentos difíceis sim, não vou negar, mas a presença do Biel na minha vida  é  o maior presente que Deus me confiou...
Por isso papais e mamães, amem seus autistas mais do que tudo na vida, e carreguem sempre o sorriso deles em suas memórias, pois esse sorriso divino é o que te dará forças todos os dias de sua vida....
Obrigado Biel por existir na minha vida... Te Amo...
Daniela Bolzan

sábado, 19 de outubro de 2013

Festa do Dia das Crianças - Clínica Espaço do Autista.

No dia 10 de 0utubro de 2013, em São José do Rio Preto aconteceu a primeira
FESTA DAS CRIANÇAS ESPECIAIS da Clínica Espaço do Autista por Sabrina Strabelli e a Fonoaudióloga Vilma.

O tema foi “Uma Noite no Safari”, sendo realizada no Buffet Infantil Gibodô.


O objetivo desta festa foi proporcionar uma noite agradável a todos  através da interação entre pessoas com necessidades especiais e os demais presentes.
Desta forma proporcionamos a inclusão de todos num mesmo espaço, respeitando as limitações de cada um e, ao final da noite, pudemos constatar que os objetivos esperados foram todos alcançados, superando todas as expectativas.
Todas as crianças que estiveram presentes desfrutaram de uma noite muito especial, com muita alegria e superação dos limites pessoais de cada um, onde cada descoberta se tornava motivo de muita comemoração, pois se tratando de um ambiente totalmente novo com som, iluminação e os barulhos característicos dos brinquedos eletrônicos, era de se esperar espanto e resistência por parte de muitas dessas crianças.
No entanto houve muita aceitação, o que superou todas as expectativas.
Os familiares que estavam presentes puderam participar e acompanhar a evolução de seus filhos e amigos, e os profissionais envolvidos puderam analisar o trabalho realizado com cada criança ao longo do ano e entender ainda mais as necessidades de cada um, para aprimorar cada vez mais o tratamento oferecido individualmente a cada um.
Diante de resultado tão satisfatório fica o agradecimento a todos os familiares que confiaram no projeto e participaram junto com seus filhos e aos profissionais envolvidos que dispensaram muito amor e carinho a todos.
Um agradecimento especial aos proprietários (Tuaine e Marcos) do Buffet Infantil Gibodô que desde o primeiro momento aceitaram o desafio de oferecer o seu espaço para pessoas tão especiais.
Agradecemos também à fotógrafa Caline Filus que além de fazer um ótimo trabalho demonstrou carinho especial pelas crianças.
Abaixo segue as fotos da nossa incrível festa em comemoração do DIA DAS CRIANÇAS ESPECIAIS...

Sabrina Strabelli,  Cauã e Carlos
Fonoaudióloga Vilma  e Rogério

Gabriel Bolzan


Maycon, Gabriel e Eu.













































Gabriel e Sabrina

























Agradeço de coração a presença de todos e não há como explicar a felicidade que esta festa me proporcionou. Amo todos vocês meus Alunos-Pacientes.
Com Amor
Sabrina Strabelli - Clínica Espaço do Autista
Pedagoga especialista em Autismo e patologias Associadas.